asphalt-blond-daylight-680800 (1).jpgNascida de uma família simples, moradora de um bairro periférico de São Paulo, Diana é uma moça de uma beleza destacável. Nunca teve grandes coisas, mas tinha amor e seus pais conseguiram deixá-la estudar até o ensino médio sem precisar trabalhar. Sabemos que para um morador de periferia conseguir estudar sem trabalhar ao mesmo tempo, é um verdadeiro milagre.

Por onde Diana passava, os olhares eram muitos, ela não tinha como não marcar presença onde chegasse.

Aos dezoito anos, começou a frequentar uma igreja evangélica do bairro. Uma igreja com mais de mil membros. Obviamente, aquela bela moça não passaria despercebida e foi lá que ela conheceu o rapaz dos sonhos de toda mocinha; ele era amável, gentil, estudado e que já trazia na historia um apartamento e um carro, presentes dos pais do rapaz. Ele estudava engenharia em uma das universidades mais caras de São Paulo.

Alguns meses após a bela Diana começar a frequentar essa igreja, o rapaz iniciou suas tentativas de conquista. Eram convites pra jantar, ofertas de carona, convites para ir aos parques. Ela não acreditava que ele tivesse interesse nela, por isso sempre mante-se muito discreta.

Tempos depois, Diana  começou a participar de atividades da igreja. Uma moça que tinha o objetivo de continuar estudando, mas que sabia que a faculdade não seria possível sem trabalhar. Ela encontrou um trabalho e iniciou suas pesquisas para encontrar um curso no qual ela se sentisse confortável e que pudesse pagar.

O belo moço nunca desistiu dela e continuou convidando-a para passeios. Ambos, pareciam se completarem. Ela iniciou a faculdade e ele terminou a dele, sendo imediatamente contratado por uma empresa de altíssimo nível, afinal era mérito dele (o pai era amigo do presidente da empresa).

Agora, bem estabilizado, João decidiu pedir Diana em namoro. Ela por sua vez lhe disse que precisava pensar, pois não queria perder aquela amizade linda entre eles, alegando ter medo de não saber lidar com os sentimentos. Diana não refletiu muito tempo e um mês após, eles estavam namorando e falando em noivado.

Parecia um conto de fadas, João ia buscar Diana na faculdade quase todos os dias e em poucos meses a pediu em casamento. Ela aceitou imediatamente. Com  exatos onze meses de namoro, o casal estava casado e no mês seguinte, Diana estava fora da universidade e também do seu trabalho.

casamento

(Fonte: https://www.sonhos.com.br/sonhar-com-casamento)

Ninguém entendia o motivo de ela ter parado sua vida, mas ela dizia que Deus tinha preparado algo maior pra vida dela.

Seis meses depois, Diana tinha quase o dobro do peso e o sorriso dela era tão somente de fora; isso era nítido para todas as pessoas, mas se alguém perguntasse se estava tudo bem, ela respondia que sim e olhava para outra direção.

Ninguém nunca ousou lhe questionar, mas um dia ela decidiu participar de uma encontro de oração na casa de uma das irmãs da igreja. Essas reuniões aconteciam todos os sábados; Diana passou a ir sempre que podia.

Um dia, tomada por uma crise de choro ela pediu para falar com a responsável do grupo de oração e lhe disse :

_ Eu sou estuprada todas as semanas ‘’ em nome de Jesus’’, meu marido me violenta e diz que devo aceitar porque sou a costela dele.

A responsável pelo grupo de oração chorou e orou com ela e depois perguntou por que ela se sentia estuprada, já que era casada com o indivíduo e ela respondeu:

_ Eu não gosto de fazer sexo anal, mas meu marido me obriga e me machuca pra fazer; eu sinto tanta dor que não sei nem o que pensar. Ele diz que devo obedecer-lhe, pois ele é o cabeça, conforme afirma a Bíblia.

foto agressão

(Fonte:http://www.leialucas.com.br/noticias/Lucas-do-rio-verde/5929/)

A responsável do grupo disse que ela deveria sair dessa relação abusiva e ela disse que os pais dela lhe disseram que não poderiam sustentá-la e que ela deveria continuar com o agressor. São anos de agressões e ela continua com ele, sendo agredida semanalmente. Diana chegou a pedir conselho ao pastor, mas este disse que ela não deveria denunciar o marido e que eles deveriam orar para ajudar João a se liberar de tal fraqueza. Ele alegou que isso era uma das “investidas do diabo”contra o casamento deles. Diana nunca tomou atitudes. As agressões continuam, mas Diana não tem coragem de se confidenciar com mais ninguém.

Na igreja, ele entra de mãos dadas com a esposa, dizendo a todos que é um homem totalmente apaixonado pela costela dele, todos acreditam que eles formam um casal muito harmonioso e feliz. Esse agressor acabou de ser nomeado a pastor.

Até quando nos calaremos? Temos de dar um basta nesses absurdos.

Mais historias como esta:

40% Das Mulheres Que Sofrem Violência Doméstica São Evangélicas, Diz Pesquisa Recente

https://noticias.gospelmais.com.br/40-mulheres-sofrem-violencia-domestica-evangelicas-86697.html

 

http://g1.globo.com/goias/noticia/2016/11/casos-de-violencia-domestica-contra-mulher-chocaram-goias-em-outubro.html

Advertisements

Esta frase deve ter te deixado um pouco reflexivo, então voltemos a ela: imagine que você morrerá amanhã que história você deixará para que contem sobre você?; quantas pessoas estarão no seu velório, quantos chorarão de tristeza? Qual legado você deixou para que fosse seguido?

Então tenho algo a te lembrar que sim, você está morrendo, pois logo após nascer suas células começam a morrer e o seu amanhã, como também o meu está às portas.

Hoje, eu estava assistindo o jornal da manhã quando o jornalista conta de algo lindo que aconteceu nas olimpíadas do Rio 2016: cerca de 1,500 metros antes do final da corrida de 5,ooo mil metros, Nikki Hamblin caiu e atingiu a americana Abbey d’Agostino; Abbey torceu o pé, mas levantou a adversária para que continuassem a corrida, em seguida foi a vez de Nikki observar que Abbey não conseguia continuar correndo e retribuiu o gesto, ajudando-a a terminar a prova.

 

Este ato levou as duas para disputarem a final apesar de terem chegado em 15ª e 16ª posições, respectivamente.

Elas terão sempre essa bela história que será contada ao longo dos anos e jamais serão esquecidas. Então vamos começar a escrever uma bela história, antes que seja tarde demais? Lembre-se já estamos morrendo.

 

“A pluralidade é a condição da ação humana pelo fato de sermos todos os mesmos, isto é, humanos, sem que ninguém seja exatamente ual a qualquer pessoa que tenha existido, exista ou venha a existir.”

HANNAH ARENDT

 

Estava sentada tomando um café no Tim Hortons da Bank Street em Otawa, Canadá e vi um senhor muito sorridente do lado de fora, Ele era um morador de rua. Tinha um casaco comprido, estava bem limpo, portava um sorriso resplandecente no rosto. Parecia que tinha ganhado na loteria.

Observei que todas as pessoas que passavam por ele recebiam dele um good morning acompanhado de um sorriso largo e afetuoso.

Muitas pessoas passaram por ele, algumas lhes respondiam o good morning, outras não lhe davam atenção alguma, mas um senhor engravatado, muito bem apessoado ao ouvir o good morning sir, have a nice day do homeless não pensou duas vezes, voltou, estendeu-lhe a mão, depois o abraçou de forma caloroso e espontânea e lhe perguntou se ele queria um café. O morador de rua respondeu prontamente que sim; o outro homem entrou no restaurante, comprou o café e lhe entregou.

O sem teto recebeu o café com o mesmo largo sorriso e o homem engravatado se foi, dizendo a ele que também tivesse um bom dia.

O morador de rua experimentou o café, entrou no restaurante e pediu açúcar, adoçou, começou a degustá-lo e retornou ao seu trabalho o de desejar um bom dia a todos que por ali passassem, oferecendo um sorriso ainda mais amplo. Isso me fez lembrar o célebre Nelson Mandela que dizia “Sonho com o dia em que todos levantar-se-ão e compreenderão que foram feitos para viverem como irmãos.”

Devemos ter claro em nossas mentes o quão perecíveis somos e que a chuva como também o sol cai para todos, sendo eles ricos, pobres, brancos, negros, aborígenes; E, devemos lembrar também que a morte alcançará a todos, independente de qualquer situação, por isso vamos oferecer abraços apertados e largos sorrisos, porque a vida é curta.

Termino esse texto dizendo que ainda acredito no ser humano.

 

Todo gênio merece ser conhecido de perto. No site abaixo pode ser encontrado um pouco mais da obra dele é o Turma da Mônica Toy. Fantástico.

A parceria do Território do Brincar e as Escolas foi realizada através de videoconferências mensais com temas organizados pela equipe do Território do Brincar, encontros no Instituto Alana com palestrantes convidados e um projeto de pesquisa realizado em cada escola parceira sobre a brincadeira de casinha. Quer saber mais? Vá ao site abaixo, vale a pena!!

http://territoriodobrincar.com.br/producoes-culturais/

http://exame.abril.com.br/carreira/noticias/os-50-erros-de-portugues-mais-comuns-no-mundo-do-trabalho‏

552650_618132038230852_1316441870_nComeço meu texto de hoje com as palavras do grande Ruben Alves:

“… Sem tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em lugares onde desfilam egos inflados. Não tolero gabolices. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte… Lembrei-me
agora de Mário de Andrade que afirmou: “as pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos”. Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa.”

Rubem Alves

Fui convidada para almoçar com um grupo e perguntei a uma das pessoas quem estaria lá e ela me respondeu que seria bacana, pois no grupo teríamos cinco brasileiras comigo. Essa brasilidade que não sai do meu interior se animou toda para conversar em português. Não conhecia nenhuma das quatro brasileiras, mas tínhamos uma amiga em comum que era da Turquia.

Não gosto de comida tailandesa, mas fui pelo grupo. Ao chegar lá, fomos devidamente apresentados, a alegria era imensa!! Fizemos os pedidos e eu pedi como prato de entrada uma sopa de nada. Próximo a minha amiga não tinha mais lugar, fiquei sem opção e sentei-me entre duas lindas brasileiras, uma loira e outra morena.

Começamos a conversar, surgindo assuntos diversos do dia dia e um deles foi de como é fácil limpar a casa na Canada, pois os produtos são muito bons eu, inclusive fui aconselhada a usar luvas sempre para não destruir  as mãos.

A moça morena me disse que a banheira era sempre por conta dela em sua casa e que seu marido ficava com a louça; ela me disse que limpava a banheira com muita rapidez. Eu então lhe perguntei como ela conseguia fazer tal proeza tão rápido. E, ela me respondeu:

_ eu uso sapólio líquido.

Alguém que estava do outro lado dela disse: _ Nossa, mas sapólio destrói a banheira, porque é abrasivo! E ela respondeu de imediato:

_ Mas a casa que eu moro é alugada!!!

A minha sopa que já era ruim, piorou bastante após escutar isso.

Confesso que perdi as palavras e nem queria mais falar com a criatura, mas como não resisto disse a ela:

_Então porque a casa não é sua não precisa cuidar não é mesmo? Ela simplesmente sorriu, como se fosse um elogio.

Eu me perdi em meus pensamentos, refletindo de como algumas pessoas conseguem desejarem cuidar só do que lhes pertencem, mas o que é do outro não tem a menor importância.

Ao meu lado direito a outra moça me pedia para tirar foto dela comendo aquela água de broto de bambu, que chamávamos de sopa.

Eu prontamente peguei o telefone dela e a fotografei.  Então, ela começou a me contar que seu celular era um Iphone 6. Eu já estava com os bofes querendo sair e lhe perguntei se despertava direitinho, porque para mim celular tem de ter um bom despertador. Ela me afirmou de peito cheio que sim e disse mais: _meu filho também tem um  e ele tem só cinco anos. Eu continuei em silêncio e ela continuou falando:

_Imagine se no Brasil uma criança de cinco anos tem um iphone 6. E ela mantinha-se dona do poder, dizendo: _ Eu sempre digo ao meu filho que os primos dele devem morrer de inveja dele, porque ele tem um iphone 6 e os primos não.

Eu já estava com enjoo e como não consigo ficar calada, perguntei:

– E seu filho brinca de alguma coisa? E emendei – tenho certeza que os primos dele sabem jogar bola e se divertem bastante, aposto ainda que seu filho deva estar acima do peso para a idade. Saiba que o sedentarismo é algo que vai matar a população de debiloides que ficam presas em frente às telas de computadores, iphone, ipad e todos os outros i alguma coisa.

Corri para o banheiro para não continuar falando com nenhuma das minhas acompanhantes. Ao retornar do banheiro fiquei gritando feito louco para conversar com minha amiga Turca, só para não continuar minha conversa com minhas companheiras.

Como é triste saber que as pessoas não têm respeito pelo outro, como é triste observar elas se sentem felizes em se sentirem superiores aos outros, o pior disso é saber que infelizes como essas têm filhos e o transformam em lixos como os seus  modelos.

O ser humano me assusta a cada dia que passa e às vezes me pergunto se estou mesmo escutando algumas coisas, contudo, ainda é melhor escutar asneiras do que ser surdo.

A principal meta da educação é criar homens que sejam capazes de fazer coisas novas, não simplesmente repetir o que outras gerações já fizeram. Homens que sejam criadores, inventores, descobridores. A segunda meta da educação é formar mentes que estejam em condições de criticar, verificar e não aceitar tudo que a elas se propõe.” (Jean Piaget)

Muitas famílias não atentam-se para a importância que exercem nas vidas de suas crianças e isso pode fazer delas pessoas letradas ou não.

No livro Éduquer pour rendre heureux da autora Quebecoise Corlete Portellance (2008) nos faz remeter o quanto nossa postura como pais, professores e adultos influentes na vida das crianças pode trazer sérios problemas no cognitivo delas A autora começa o primeiro capítulo com a seguinte citação:

“J´ai peur, j´ai peur”, crie em pleurant le petit Georges. Le prenant solidement par la main, son père le tire vers le déclencheur de sa frayeur, le gros chien noir du voisin, et lui dit d´u ton péremptoire: “ Arrête de pleurer. Tu n´as aucune raison de t´affoler, ce chien n´est pas méchant. Et puis, regarde ton frère, il est plus jeune que toi et il n´a pas peur, lui”. P. 9

Bem eu não sou uma tradutora da língua francesa, mas grosso modo o menino diz que está com medo do cachorro preto e segura fortemente a mão de seu pai que diz a ele “pare de chorar não há qualquer razão para você ter medo, esse cachorro não oferece perigo. E depois olha seu irmão, ele é mais novo do que você e não tem medo do cachorro”.

Esse tipo de comportamento por parte dos pais pode causar grandes danos na vida de uma criança.

A fala do pai foi muito forte para o garoto, Georges, nome do garoto, o fez passar a agir de outra forma, mas o pavor continuava existindo. O que ele fez, segundo a autora foi se transformar em alguém que ele não era:

“À cinq ans, il comprend que pour être confomrme aux usages et pou être aimé de son père, il ne doit pas pleurer et, consequemment, il ne doit pas avoir peur”. P.9

“Com cinco anos a criança compreende que para ser amada por seu pai ela não deverá chorar nem sentir medo”.

O papel do pai seria proteger a criança em seus braços, mas ao contrario disso o comparou com o irmão para tentar fazer dele mais forte do que Georges era.

O triste é que Georges passou a acreditar que para conseguir ser amado não poderia ser frágil. A fragilidade é algo forte na vida de todos nós, pois todos nós temos nossos pontos fracos; eu particularmente tenho um verdadeiro pavor de cobras e, por isso quando vou ao zoológico pulo a visita as elas; nada nem ninguém poderão apagar esse pavor e só eu sei o que eu sinto. Ninguém poderá entrar em meus sentimentos e mudar isso, se um dia mudar é porque eu consegui superar isso. Gostaria de ressaltar aqui que nunca senti o desejo de mudar isso.

Quando os pais comparam seus filhos de forma a enaltecer um e em diminuir o outro ele poderá desencadear um grande problema em todos os aspectos da vida das crianças. Temos de lembrar que graças a Deus nenhum de nós tem as mesmas fraquezas e nem os mesmos anseios.

Conheci uma amiga em Londres e lá tínhamos de fazer algumas atividades juntas, mas passamos a ter problemas, pois eu era muito acelerada. Um dia ela me disse: “Olha eu não gosto do jeito com que você conduz as coisas, pois eu sou muito diferente de você e não consigo acompanhar o seu ritmo. A partir daquele momento passei a respeitar seu jeito e ao final de nossa viagem falávamos de tudo e ficamos super amigas. O caminho é respeitar o outro, pois cada um tem suas limitações.

Os pais precisam ter como principal objetivo fazer seu filho feliz. Portelance ainda diz que “eduquer une personne humaine c´est lui apprendre à être ele-même; à être em relation avec les autres; à être creatrice de as vie et de ses rêves”.

A tradução, só para compreensão diz que: educar um ser humano e lhe ensinar a ser ele mesmo, a relacionar-se com os outros a ser o criador de sua vida e de seus sonhos.

Porque quando não seguimos em busca dos nossos sonhos e nos desrespeitamos para agradar o outro, criamos um personagem a ser aceito pelos demais como o correto, mas isso só nos fará infelizes.

Os pais devem participar ativamente da vida das crianças, mas não podem obriga-las a terem comportamentos semelhantes aos demais. Lembre-se cada filho é único e para ser um ser letrado é preciso que ele seja visto como um ser autônomo de suas ações e acima de tudo livre para ampliar conheciento com segurança.

Referência:

PORTELANCE, Colette. Éduquer pour rendre hereux 2e. éd. Montreal, Québec, Canada: Bibliothéque national du Québec, 2008.

Publicações cientificas:

Universidade do Grande ABC:

Caderno Uniabc de Turismo Ano 3 Numero 15

Eluza Maria Gomes (revisão)

http://www.estantevirtual.com.br/coresigma/Eluza-Maria-Gomes-revisao-Caderno-Uniabc-de-Turismo-Ano-3-Numero-15-56941985.

 

LIVROS

Uma das mais belas obras que já li, pois nos emociona de forma única. Vania de Castro poetisa com ELA- Esclerose lateral amiotrófica. Com este belo livro é possível ter um novo olhar a respeito da vida que é breve, mas que deve ser aproveitada em todos os momentos. Vale a pena conferir e a revisão é de Eluza Maria Gomes!

 

 

 

O tempo é o senhor da razão

Sinopse – O tempo é o senhor da razão – Coca Valença

Romance espiritual que trata da relação entre os espíritos e encarnados, desde a preparação do inicio de uma nova passagem, até o entrelaçamento de personagens nas suas vidas futuras. Destaca-se a preparação de filhos e pais para uma nova convivência, no plano espiritual e seus envolvimentos pós nascimento.

O tempo é o senhor da razão – Coca Valença – Revisão de Eluza Maria Gomes.

 
Além desses tem muitos outros.